31 agosto 2007

todo dia se morre um pouco. em alguns se morre mais. não há o que dizer. ficar quietinha. esperar passar.

6 comentários:

photographie disse...

Chorar por tudo que se perdeu, por tudo que apenas ameaçou e não chegou a ser, pelo que perdi de mim, pelo ontem morto, pelo hoje sujo, pelo amanhã que não existe, pelo muito que amei e não me amaram, pelo que tentei ser correto e não foram comigo. Meu coração sangra com uma dor que não consigo comunicar a ninguém, recuso todos os toques e ignoro todas tentativas de aproximação...
Tenho vergonha de gritar que esta dor é só minha, de pedir que me deixem em paz e só com ela, como um cão com seu osso.
A única magia que existe é estarmos vivos e não entendermos nada disso. A única magia que existe é a nossa incompreensão. (Caio Fernando Abreu)

Rafael de Sá Cavalcanti disse...

Aconteceu alguma coisa, Fer? Manda um email...

licor de letras disse...

e que dói um tanto..
me lembrou Clarice Lispector...
me lembrou dias da minha semana passada....
um cinza escroto, tipo de fuligem.

"Eu, que simbolicamente morro várias vezes só para experimentar a ressurreição" (C.L)

mas respirar.

Renata Simões disse...

sei não se o texto está em morangos mofados...mas vou colocar o do seu post no meu, com crédito e tudo.

photographie disse...

adorei que curtiu o texto!

photographie disse...

não consegui descobrir a fonte do texto do caio citado acima. não sei se está em morangos mofados. e a renata também não sabe... mas foi no blog dela que o descobri!
vale à pena conferir:
http://www.renatasim.blogspot.com/