22 abril 2008

família

o laço que une e dá segurança é o mesmo que esgana e sufoca. impressionante como padrões completamente doentios de relacionamento se estabelecem em uma família fazendo o maluco parecer normal. precisei de 29 anos para identificar os padrões da minha família, bem como os meus próprios padrões, frutos dessa interação. hoje é fácil acusar meus pais e meu irmão, apontando seus desajustes, responsabilizando-os pelos meus erros de hoje (e sempre). existe um vão entre responsabilidade e culpa. eu me culpo, eles me ensinaram assim. eu os culpo, eles me ensinaram assim... a responsabilidade entra no reconhecimento de tais circunstâncias e na decisão de fazer diferente. de se construir diferente a partir de então. romper padrão é isso. desatar o laço. desatar o nó.

3 comentários:

Rafael de Sá Cavalcanti disse...

Depois meus pais não entendem minha necessidade de isolamento... Foi me afastando que consegui analisar o comportamento deles, os seus pontos de vista sobre diversas coisas, e ver como eu não compartilhava dessas coisas. Agradeço por ter um senso de autonomia desde cedo, pois se fosse pela educação deles, estaria em caminhos bem estranhos hoje em dia.

Ei, vi que você está ouvindo Beirut! Muito bom :)

photographie disse...

é, salve nosso senso de autonomia!

Giona disse...

NOssa, parece que você assistiu, Parente é Serpente, se não assistiu deveria... vemos em diversos filmes e em nossas vidas mesmo esta complexidade do que é a vida familiar